O que é o Torus?

A forma precede o nome, e sua história precede a escrita. O fluxo do universo se manifesta nesta forma, e Torus é o nome dado a este fluxo de retroalimentação presente em toda a natureza. A influência e a forma deste fluxo podem ser notadas diretamente quando se observa por exemplo a forma de uma maçã, de uma abóbora, a forma dos campos magnéticos naturais dos imãs, dos planetas, da Terra, das estrelas, das galáxias, dos buracos negros, etc. Podemos notar também a forma deste fluxo quando observamos a forma do campo eletromagnético dos seres vivos, como por exemplo do corpo humano, no qual o centro gerador desse campo é o Nó Sinusal no coração, que marca o pulso e gera impulso elétrico fazendo o coração bater. Como consequência desse campo elétrico, há um campo magnético na forma do Torus que envolve todo nosso corpo. O tamanho deste campo é diretamente proporcional ao potencial elétrico gerado no coração. Outros corpos vivos como animais, plantas, organismos unicelulares, e até mesmo elementos químicos e o spin dos elétrons, também apresentam um fluxo energético na forma do Torus. Fenômenos naturais como furacões, tornados, ciclones, redemoinhos de vento e água apresentam seus vórtices nos moldes do fluxo Torus.

 

Para os celtas, o fluxo da vida, o movimento do Universo e os ciclos eram representados pela Árvore da Vida Celta, na qual as raízes mais inferiores se ligam a seus galhos mais superiores (fig. ao lado), resultando nitidamente na forma do fluxo Torus, tendo também relação com o preceito hermético: “O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está em cima”. Povos ancestrais como os sumérios e os egípcios, entre outros, conheciam um símbolo muito antigo chamado de Semente da Vida, o qual é composto por sete círculos interconectados. Esse símbolo é conhecido como padrão da gênesis, e simboliza para muitas culturas a criação e a própria unidade formadora do universo, pois as células dos seres vivos se desenvolvem tendendo a este padrão. Um aspecto interessante de se notar é que quando a semente da vida é rotacionada, suas linhas formam as linhas de um vórtice, que quando observado de cima é o próprio fluxo Torus visto em duas dimensões. Quando substituímos os círculos da semente da vida por esferas temos o fluxo Torus em três dimensões. Portanto, pode se levar em conta que o fluxo Torus esta implícito no código gerador da vida, a Semente da vida.

Um outro aspecto interessante é o símbolo do infinito representado por muitas culturas como um 8 deitado. Este signo é a pura representação em duas dimensões do fluxo Torus visto de perfil, ou seja, é a representação simplificada do fluxo natural. Se o símbolo do infinito for elevado para três dimensões, novamente temos o fluxo Torus completo.

 

Nos dias de hoje, com o advento e avanço da mecânica quântica, temos a teoria do Campo Unificado, um campo inteligente e consciente que une tudo e todos. A possível estrutura subjacente a este campo é a notável forma geométrica conhecida como Vector Equilibrium, que por possuir todos os seus vetores com o mesmo tamanho e relação angular, é a única forma que proporciona um equilíbrio vetorial absoluto e, portanto, é a forma mais natural para que o equilíbrio do Universo se perpetue como é. Um fato interessante a respeito do Vector Equilibrium é que ele surge naturalmente a partir da Semente da Vida, de forma que o fluxo Torus, a geometria do Vector Equilibrium e da Semente da Vida estão intimamente ligadas, sendo representações do fluxo, da estrutura e do código do Universo, respectivamente.

 

Para que o Campo Unificado se estabilize tal como foi proposto, e una tudo e todos, matéria e anti-matéria, bem como todas as formas de energia, de manifestação e de potencial, ele necessariamente tem que ser um campo de retroalimentação para que o equilíbrio e a harmonia sejam mantidos. Como podemos observar, a Natureza segue um padrão, e esse padrão é repetido nas escalas do micro, médio e macro cosmos. 

Levando em conta a regularidade dos padrões da natureza, as informações étnicas e ancestrais e a especificidade da física vetorial aplicada às teorias da mecânica quântica, pode se concluir o que muitos já concluíram: que Universo está contido em um grão de areia, e o padrão do fluxo Torus esta presente em nós e em tudo a nossa volta, inclusive no campo que estabiliza a matéria, tudo e todos: o Campo Unificado.

A partir do entendimento de todas essas informações preliminares, com este modelo Torus é possível estudar e sentir como este importante fluxo energético funciona na prática, de maneira palpável e ao alcance de suas mãos. As informações estão presentes em diferentes níveis e em diferentes graus de profundidade. Com o contato e o estudo regular, as informações vão sendo absorvidas de forma consciente e inconsciente, abrindo para a possibilidade do desenvolvimento do olhar, pensamento, ações e emoções sob a ótica do fluxo inerente ao Universo: o Torus.

 

Modo de operação: Como abrir: posicionar os anéis na posição plana na palma da mão;

 

e impulsione levemente sua mão para baixo, resultando na abertura instantânea do Torus.

 

Como fechar: posicione o Torus entre a suas mãos como mostrado na figura abaixo e rotacione a palma de cima no sentido anti-horário. Lembre-se de não forçar no sentido em que o movimento não flui, pois isso pode danificar a peça permanentemente.

 

Como fluir: com o Torus fechado, insira seu braço através dos anéis e então solte para que ele se abra; em seguida basta levantar e abaixar o braço de maneira que o Torus flua por ele. Unindo-se as mãos, o Torus pode ser transferido de um braço a outro. Uma sugestão de diversão garantida é fazer isso com um grupo de amigos.

 

O Torus pode também ser usado em danças performáticas, como um acessório circense ou ainda como complemento para malabarismo e performances artísticas de contato, etc. Pode ser usado por professores como material didático para complementação de aulas, desde a educação infantil até a pós-graduação, ou ainda como ferramenta para facilitação de dinâmicas em grupo. Dados técnicos: Artefato feito em uma única fita de aço inoxidável; as extremidades são unidas por fusão a laser; a peça é cortada e ajustada manualmente. Manusear com cuidado e atenção para não danificar a peça.

 

Versões disponíveis: Metálica: o movimento se parece como uma grande bolha metálica fluida. Em um dia de sol é possível observar o reflexo de todo o redor quando o Torus está a fluir. Fluorescente: revestida com tinta reativa a luz U.V. (luz negra); ideal para se divertir à noite e em ambientes festivos com a presença de luz negra, onde é possível uma fascinante experiência com o Torus. Ao longo do tempo, dependendo da intensidade de uso, a camada de tinta pode apresentar desgaste natural. Evite deixar cair no chão ou o contato com superfícies ásperas a fim de aumentar a vida útil da camada de tinta. Brinque com seus amigos, faça-o fluir entre o seu braço e os deles, mas lembre-se de antes ensiná-los como manusear a peça para que ela não seja danificada.

 

Referências: Melchizedek, D. O Antigo Segredo da Flor da Vida. São Paulo: Pensamento, 2008. Volume I Melchizedek, D. O Antigo Segredo da Flor da Vida. São Paulo: Pensamento, 2008. Volume II. 2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *